26 de agosto de 2011 Felipe

E acabamos com a criatividade?

(Lá vou eu dar pitaco em assunto sério).

É engraçado como as coisas se conectam, sem querer. Estava fazendo barba hoje de manhã ouvindo o Alexandre Garcia, o profeta do Caos, no Jornal da Itatiaia (alguns rituais não acabam, mesmo em outra cidade). Dessa feita, entre ataques ao ensino público, Garcia bradava contra os baixos resultados na Prova ABC, especialmente em português e matemática. “Pra que dar aulas de artes e música? Temos que ensinar português e matemática”. Falando parece fácil. Seja na escola pública ou privada, martelar e socar conteúdo na cabeça de um jovem não costuma surtir efeito. Pausa.

Fazendo uma pesquisa para um material complementar aqui no trabalho, gasto 20 minutos do meu dia para ver esse vídeo do Ken Robinson em um TED de 2006. Nele, Robinson fala que as escolas “matam” a criatividade das crianças.

Todo sistema educacional do planeta tem a mesma hierarquia de disciplinas. Todos eles. Não importa aonde vamos. Você pensa que seria diferente, mas não é. No topo estão a matemática e as línguas, depois as humanas e por último as artes. Qualquer lugar do planeta. (…) Não existe um sistema educacional no planeta que ensina dança diariamente às crianças da mesma forma que ensina matemática.

Nessa disputa, fiquei com o Sir Ken Robinson, e pensando como isso tudo faz sentido. Óbvio, não quero desmerecer a matemática, o português, ou a Prova ABC, não é isso. Mas é mais um sinal de que o sistema de ensino tenha que ser repensado. Lembro que a escola onde fiz o ensino fundamental era totalmente inovadora nesse sentido, principalmente em incentivar a criatividade dos alunos. Talvez por isso não tenha me encontrado no colégio onde fiz o Ensino Médio, que era mais tradicional. Foi mais ou menos nessa época que meus interesses e a vontade de aprender química saíram em direções opostas e nunca mais se encontraram.

Talvez dê pra aprender matemática e artes de maneira conjunta. Quem sabe assim os alunos aproveitem as matérias “legais” para absorver as “chatas”. Sei lá. O que não podemos é continuar insistindo na linha de produção de jovens com a criatividade totalmente suprimida.

Nosso sistema educacional explorou nossas mentes como exploramos a terra: em busca de um recurso específico. E para o futuro, isso não serve. Temos que repensar os princípios fundamentais que baseamos a educação de nossas crianças. – Sir Ken Robinson

São só meus dois centavos.

, , ,

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comments (2)

  1. Normalmente, os virtuosos da música são bons com matemática. Ouvi dizer que a área do cérebro responsável por elas é a mesma. Explica muita coisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *