Notice: Undefined index: id in /home/felipemenhem82/felipemenhem.com.br/site/wp-content/plugins/jetpack/_inc/lib/class.media-summary.php on line 151

Notice: Trying to access array offset on value of type null in /home/felipemenhem82/felipemenhem.com.br/site/wp-content/plugins/jetpack/_inc/lib/class.media-summary.php on line 151

Notice: Undefined index: id in /home/felipemenhem82/felipemenhem.com.br/site/wp-content/plugins/jetpack/_inc/lib/class.media-summary.php on line 152

Notice: Trying to access array offset on value of type null in /home/felipemenhem82/felipemenhem.com.br/site/wp-content/plugins/jetpack/_inc/lib/class.media-summary.php on line 152
27 de dezembro de 2011 Felipe

Nenê, Michel Teló, a NBA e o poder da imagem

Michel TelóEsse post saiu de uma conversa no Facebook com o Waltinho, amigo das antigas.

Qualquer pessoa que não morou na Lua durante 2011, sabe quem é Michel Teló. Sabe também daquela música horrorosa de sua autoria, “Ai se eu te pego”. Pois bem, posto isso, podemos prosseguir para este vídeo:


Se você não sabe o que é, eu te explico. Nenê, pivô brasileiro que joga no Denver Nuggets, time da NBA, aplicou “Ai se eu te pego” em seus colegas de time. O nosso querido jogador é o que está no canto direito do vídeo. Como vemos, Nenê fez Michel Teló ser famoso na NBA e para todo um público que certamente desconhecia o cantor. Ele, Teló, deve estar feliz, mas será que os profissionais de Marketing da Liga ou do Denver estão felizes? Aí, observem como o assunto é fascinante: Eu acho que sim, mas o Waltinho acha que não. Por que?

Bom, é ponto pacífico que essas manifestações, espontâneas, são as mais valiosas. Cria-se uma ligação emocional com o atleta e com qualquer coisa que ele esteja passando. Associe isso ao parágrafo anterior pra entender o quanto Michel Teló saiu valorizado nessa.

Se a NBA é bastante rígida com o Dress Code dos jogadores e tem um código de conduta que se aplica também aos fãs, imagino que ela seja dura também nos contratos de imagem. Porque convenhamos, qualquer coisa que esses caras fizerem ou usarem irá vender horrores. Mas será que esses contratos se aplicam também aos treinos ou aos vestiários? Ou seja, até esses momentos de descontração são policiados? Não acho que isso deve ocorrer.

Talvez alguns profissionais de marketing fiquem incomodados. Pagam rios de dinheiro para associar o time ou os jogadores à sua marca e talvez não consigam o retorno que o Teló, por exemplo, teve. No entanto, se eles ou a diretoria de Marketing do Denver começarem a cobrar por essas manifestações, elas perdem espontaneidade e, consequentemente, valor. Por isso, penso que essa preocupação deve durar uns cinco ou dez minutos, exatamente por ser uma batalha perdida.

E você, qual a sua opinião sobre o assunto, além de achar o Michel Teló uma assombração da humanidade?

, , , ,

Comments (11)

  1. Eu acho que alguém devia mostrar a obra da Vermelho Vivo pro Mariozinho Rocha ou pra qualquer um poderoso musical da Globo, pra “espontaneidade” dar conta do recado e fazer minha banda gerar receita.

  2. Eu acho foda um cara sair do anonimato para o estrelato intergalático com uma música sertaneja (universitária, ou como queiram chamar), independente do gosto musical. Neste caso é abraçar o caos e usar bons fones de ouvido. Acho que o mesmo se aplica ao marketing.

  3. Não cabe o contexto. O Michel Teló ou qualquer sertanejo, ou música ruim, que temos já tem o preconceito enraizado, por que pertence a nossa cultura. O entendimento da letra e da “musicalidade” está preso a nossa cultura, e somos poluídos com isso, pois afinal de contas, como você disse, todos nós sabemos que um Michel Teló da vida existe e do seu sucesso aqui, mesmo sabendo que é ruim. Então por que existe e por que todos nós conhecemos, se é tão ruim?
    Aquele vídeo ali é apenas um monte de gente brincando com uma coisa exótica, para eles, pois aquilo para eles é algo nunca visto.
    E a reciproca é verdadeira, tem um monte de gente que até se diz “intindida” mas que por falta de conhecimento de inglês sai gaguejando e solfejando músicas achando o fino da bossa, sem perceber que aquilo para eles é tido como brega ou de mal gosto, mas que também faz sucesso em guetos e entre as bestas de lá. Como por exemplo achar que tem algo de poético só por que há rima em: “I take to the candy shop, and let you lick my lolipop”.
    Gente escrota e de mau gosto não é uma exclusividade do Brasil, por mais que adoremos exaltar as nossas merdas, mas lá nos EUA, na Europa ou Asia, merda fede igual.

  4. roque

    comentarista mal informado fazendo comentarios mentirosos .devia pelo menos pesquisar um pouquinho da vida de MICHEL TELO antes de fazer comentarios desse tipo .me parece mais um problema de inveja do sucesso do rapaz voce que é uma aberraçao

    • Felipe

      Oi Roque, obrigado pelo comentário. Não vi mentira alguma em meu post. Opinião e juízo de valor tem. Mas é um blog pessoal, logo, é melhor que tenha mesmo! Abraço!

  5. Nei

    Isso é resultado desse luansantanismo desenfreado. E vem mais por aí, é só esperar, já que por aqui o que funciona é sempre a modinha, tendência, “variação do mesmo tema sem sair do tom”. E quando há tendência a qualidade tende a cair. Matemática pura e simples.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *