14 de setembro de 2012 Felipe

Minha experiência na Mão na Roda

Quando mudamos de cidade precisamos achar alguns serviços básicos de confiança: Padaria, farmácia, supermercado, dentista, médico, mecânico e por aí vai. No meu caso, ainda não encontrei um bom mecânico para a minha bicicleta. Fiz manutenção uma vez desde o dia que a trouxe pra São Paulo. Foi em uma bicicletaria perto da minha antiga casa, no Paraíso e depois nunca mais. O preço e o atendimento deixaram a desejar em relação ao preço.

Oficina Mão na Roda | Divulgação

Oficina Mão na Roda | Divulgação

Aí juntei o momento de parar a bicicleta para manutenção novamente com um tweet do Willian Cruz e fui ontem conhecer a oficina Mão na Roda.

O projeto é uma iniciativa muito bacana da Ciclocidade. É uma oficina comunitária e um ponto de encontro entre ciclistas para aprendizado e prática da mecânica de bicicletas. Os que entendem muito ensinam os que não entendem nada, caso deste que vos escreve. E alguns ciclistas batem ponto “só para consertar uma coisinha”. Lembrei muito das idas do papai à oficina do Mildeu, para “consertar” nosso Vemag. Uma coisinha viram três horas de papo.

De fato, o lugar é super bacana, as pessoas são legais e dispostas a ajudar. O único problema foi que falhei miseravelmente na tentativa de trocar as sapatas do meu freio traseiro. Em suma, consegui a proeza de chegar pedalando e voltar empurrando.

Explico o porque: Percebi que um dos cabos do freio estava nas últimas. Cortei a parte ruim, na tentativa de conseguir utilizar o resto, mas ficou curto demais. E todos vocês sabem o que aconteceu quando utilizei o freio da frente com gosto.

Pelo menos me indicaram uma boa oficina, perto da estação Faria Lima do metrô. Vou fazer uma boa revisão antes de me aventurar como mecânico. 😉

, , ,

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *