1 de fevereiro de 2004 Felipe

Cinto

Ainda quero entender porque alguns motoristas insistem em andar sem cinto de segurança. Oras, é um algo que não incomoda e tem sua eficiência comprovada. Achava até, que de uns tempos pra cá, a moçada começou a usar mais o cinto, talvez por causa da multa salgada ou pela massiva propaganda reforçando o uso. Mas parece que estou errado. Uma pena, né?

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comments (6)

  1. O pior é você pensar que a anos pessoas viviam assim e morriam toda hora. Daí inventaram o cinto para não morrerem toda hora. Mas como são muito estúpidas, os mais espertos colocaram isso como lei. Mas não adiantou e os estúpidos continuam morrendo a toda hora. Os mais espertos decidiram: Ou vocês ficam vivos ou te multamos! E mesmo assim não funciona!

  2. livre arbitrio.
    da mesma maneira que as mulheres devem ter o direito de tirar um filho não desejado antes que o catarrento venha ao mundo, todos temos o direito de não usar tal aparato.

  3. É uma atitude de enorme irresponsabilidade.

    É livre arbítrio também se alguém sair de casa e der um tiro na cara do vizinho chato… mas a lei procura o bom senso.
    Coibir problemas e deslizes do comportamento humano.

    A lei procura oferecer medidas de segurança aos cidadãos.
    E num país com vasto número de ignorantes é preciso, sim, que se obrigue alguém a usar o cinto de segurança. Se querem morrer, que façam isso em outro lugar.

    No trânsito estão pensando em proteger os envolvidos… ninguém está com a mente programada para “burlar os direitos e escolhas”.

    Eles têm muito mais o que fazer…

  4. Certamente que se o indivíduo não quer usar o cinto, ele deve ter o direito de não fazê-lo. É obrigação do estado sim educar e indicar os riscos e utilidades a utilização ou não do cinto, porem o camarada tem(deveria ter) o direito d não querer oras! A comparação com o tiro na cara do visinho foi profundamente inapropriada.
    Acredito que todo cidadão tem o direito de correr seus próprios riscos. Fumar, beber, correr, nadar, transar, enfim, tudo q envolva um risco para apenas e somente para ele. O estado tem o dever sim de, educar e apontar os riscos e perigos envolvidos em tal ação. E nada mais. Free will godemmet!! Chega de adultos serem tratados como crianças!! Meu deus!!!

  5. Ricardo

    Bem, certamente o não uso do cinto de segurança envolve risco somente para o mesmo. Porém, cada morto e/ou ferido evitado pelo uso do cinto, é um prejuízo a menos para o governo, e num país onde os hospitais já são lotados isto é sempre uma ajuda. Logo, livre arbítrio de cú é rola!

  6. Eu concordo, Ricardo.

    Até porque a responsabilidade é sempre do Estado, mesmo que o indivíduo que deixe de usar o cinto esteja fazendo isso porque é o “dono da própria vida”.

    Não vivemos em uma anarquia.
    Existem responsabilidades.

    Agora se querem o mínimo possível, pois bem. Sugiro a Holanda.
    Aqui tem leis, amigos.
    E devem ser cumpridas.
    Podem espernear e o que for: nesse caso do cinto de segurança sou a favor da imposição, já que o objetivo é proteção dos cidadãos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *