25 de abril de 2017 Felipe

Sobre perder e se encontrar em Buenos Aires

(Escrito no voo Gol 7681, Aeroparque-Guarulhos, do lado de um argentino que me acordou tentando recostar a poltrona dele. Ele apertou o botão da minha, o sacana).

Tinha ido à Buenos Aires uma única vez, em 2003*. Eu, que lembro de tudo, tenho poucas lembranças dessa viagem. Sei que era a primeira vez que viajava para fora do Brasil e achei tudo uma maravilha.

Agora, escrevo esse post voltando de lá, numa viagem que pode entrar na categoria das viagens sem juízo. Minha mãe viajou a trabalho para lá, me ofereceu a passagem, arrumei na terça pra viajar na sexta-feira cedo. “Compra com milhas ou dinheiro?” Milhas. “Mas, mãe, meu o caixa não está recomposto por conta da viagem pros Estados Unidos”, não tem problema, dividimos o hotel. Então vamos. Curiosamente, foi a primeira vez que viajei com d. Pilar, só eu e ela. Foi uma das melhores descobertas da vida. Tudo sem pressa, no nosso ritmo. Conversas adultas. A relação com minha família sempre foi boa e tem melhorado com a idade.

A companheira de viagem

Comprei 1.400 pesos na quinta-feira no Aeroporto de Confins, voltando de uma reunião em BH. Desbloqueei o cartão no caminho pra Guarulhos, me esqueci do seguro-viagem. Dedos cruzados pra não escorregar e torcer o pé, feito a moça no McDonald’s da rua Florida, ontem. Sou fluente em portunhol, então vai dar certo. Já deu, estou voltando. Não fui passado pra trás, conversei política com o motorista de esquerda do Uber, ouvimos o taxista de direita bradar contra os imigrantes e Cristina Kirchner.

Comemos os maiores pedaços de carne de nossas vidas em Puerto Madero e a comida do Francis Mallmann no Patagonia Sur, em La Boca. Nunca vi tantos dígitos no valor de uma conta, mas foram proporcionais à experiência e à oportunidade.

Em três dias, além de Puerto Madero e Boca, fomos pra Recoleta, Retiro e Palermo. Só no domingo foram 21km. Saímos do hotel, fomos à Floraris Genérica, depois até o Malba, que só abria ao meio dia. Mamãe pega um táxi, volta pro hotel e vai para o aeroporto. Eu caminho até Palermo. “Felipe, você precisa voltar, sua reserva caiu e você precisa achar um lugar pra dormir”. Deliberadamente fui a pé, mais quatro quilômetros. Queria pensar, ver a cidade, me perder. Pego minhas coisas, atravesso a 9 de julho, vou pro hotel novo. Deixo as coisas e torno a andar.

Preciso achar um adaptador de tomada, esqueci o meu no Brasil e se a gente reclama das nossas tomadas de três pinos, imagina o quanto xinguei a tomada que parece o padrão americano porém em um ângulo de 45º. Sou fluente em portunhol, já disse. Chego na loja:

“Tienes adaptador de tomada?”
“Quieres hacer una llamada?”

Não, rapaz, tomada. To-ma-da. Faço o gesto de colocar alguma coisa na parede e fico pensando “como assim, tomada não é tomada”. Não é. tomada é enchufe, me disse o tradutor do Google. Checo no Google Imagens se enchufe é tomada. É. Consigo um adaptador de enchufe na terceira tentativa. O mais chinês deles. Resolvido isso, voltei ao Malba, vi Tarsila do Amaral, vi a exposição da General Idea e poderia ter pegado uma linha reta de volta pro hotel, mas fiz um L, só para andar na Avenida Santa Fé e entrar no Ateeneo, o teatro que virou livraria.

Atheneo

Floraris Generica

Eu, que já enxerguei na Rua Galvão Bueno lá na Liberdade, a Rua XV de Novembro de Barbacena, consegui ver várias cidades em Buenos Aires: Madrid, Paris, Lisboa, um pouco de São Paulo e até um pouco de Ipanema e Leblon nos prédios colados da Avenida del Libertador e no cheiro de gás. Ou o Morro do Papagaio, lá em BH, nas favelas que margeiam as autopistas. Buenos Aires parece viver nesse paradoxo da arquitetura e sofisticação europeia com todas as características da nossa América Latina: a pobreza, a desigualdade e a inflação.

Achava que meus 1.400 pesos me fariam o Rei da Salsicha de Palermo. Ledo engano. A cidade está cara e mesmo na conversão mais otimista, 1 real para 5 pesos, as coisas não melhoram. Pagamos 30 pesos em uma garrafa de 600 ml de Coca Cola. Um jantar para duas pessoas em um restaurante descoladinho perto do hotel saiu por mil pesos. É preço de São Paulo, um pouco pra cima. Só que a inflação de 70% ao ano é como o pop, não perdoa ninguém. Argentinos e turistas têm sentido isso, imagino.

Mas me diverti, me perdi, me encontrei, pensei e refleti um bocado. Andar nos ajuda a colocar os pensamentos em ordem. Para quem é (ou era) avesso às mudanças e aos riscos, viajar sem juízo foi bom.

Preciso fazer isso mais vezes.

Porta de entrada do CCK

*As notas dessa ida estão no blog. Não linkei por vergonha. Eu era idiota em 2003.

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comments (2)

  1. Gostei muito do post, me fez sentir lá novamente (até porque fui há pouco tempo). Infelizmente, a inflação do país está reduzindo cada vez mais as possibilidades de ida. Estive lá em 2010 e em 2016 e senti uma diferença brutal no poder de compra. Em 2010, eu era o Rei da Tapioca de San Telmo. Cheguei a tomar vinho da casa em Palermo por 40 pesos (na época, 10 reais). Já em 2016, vi latas de Coca custando 45 pesos em restaurantes. Bom, de qualquer forma, meu comentário de verdade era pra dizer que você não era idiota em 2003. Só tinha alguns anos a menos e pensava diferente. Eu vejo meus posts em redes sociais de alguns anos atrás e tenho o mesmo tipo de sensação… Afinal, a vida é assim, né? 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *