25 de junho de 2013 Felipe

Vídeos no Instagram

O instagram agora aceita vídeos. Como as pessoas vão utilizar essa funcionalidade? (Na foto do Bruno Milagres, cá estou filmando a firma)

Todos os usuários do Instagram (e os que não usam também) já sabem que o aplicativo agora permite o compartilhamento de vídeos. É uma resposta direta ao Mobli e ao Vine, que foram construídos especificamente para esta função. Além disso, conforme postei na semana passada, a funcionalidade começa com 100 milhões de usuários, que é a base ativa do Instagram.

No geral, eu vejo com bons olhos. É uma forma diferente de contar histórias. E no Vine, aplicativo que eu vinha usando há algum tempo, era legal ver as histórias sendo contadas “em movimento”. Umas mais bem contadas que outras, mas o que vale é a intenção. Eu mesmo fiz uma, sobre o meu café.

A experiência de fazer vídeos no Instagram está melhorada em relação aos concorrentes. O Mashable inclusive listou seis diferenciais dele em relação ao Vine. Os vídeos carregam mais rápido, a questão dos efeitos é bacana e a possibilidade de apagar trechos do vídeo durante a edição faz a diferença.

Como disse estou ansioso pra ver os resultados. Conversando com o Bruno, concluímos que a diferença entre o conteúdo bom e o ruim será ainda maior se compararmos com as fotos. De qualquer maneira, confesso que por ora, não estou gostando do meu feed. Primeiro porque os vídeos ainda estão uma massa de conteúdo sem sentido. Não que exista uma coerência entre as pessoas que eu sigo, longe disso*. Mas 1) eu não me sinto confortável vendo vídeos em um local onde só haviam fotos e 2) o conteúdo em vídeo ainda não está tão bacana. Eu mesmo fiz dois vídeos até agora. Um pra minha conta pessoal e outro pra Ciatech. Nenhum deles é “ganha jogo”.

Claro, ideias não faltam, há uma curva de aprendizado e a maturidade vem pra todo mundo. Espero que ela seja mais rápida no Instagram. Reforço que vejo com bons olhos a iniciativa e sei que pessoas e empresas conseguirão tirar bom proveito disso. Seja na cobertura de um evento, na crônica de um jogo, em uma receita de macarrão em 15 segundos ou um pedido de casamento original. Mas até lá, veremos muitos gatinhos, comidas, auto-retratos em movimento (os famigerados selfies) e a galera na balada. Por isso, no momento, prefiro ficar firme nas fotos. É onde me sinto mais tranquilo.

E vocês?

*Clique, relembre meu post sobre o instagram e veja como essa lista é heterogênea

, , ,

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comment (1)

  1. Julio Bomfim

    Na real… este lance de filmar “na vertical” nunca me convenceu mesmo… não consigo ver sentido. De qualquer forma assim como agora temos milhões de fotógrafos pseudo-proto-profissionais, teremos milhões de cinegrafistas da mesma categoria… e quem é “pro” de verdade terá que – mais uma vez – se reinventar… o que pode ser muito positivo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *