3 de outubro de 2012 Felipe

Três visões da sujeira eleitoral

Entra ano, sai ano e a sujeira eleitoral continua firme e forte. 2012 em específico tem sido especial pela quantidade de lixo que chega pelos meios “não convencionais”, leia-se cavaletes e santinhos. Recebi mensagens, e-mails e até telefonemas de diversos candidatos.

O(s) problema(s)

Nunca fui esperto o suficiente para deixar pegadinhas em cada cadastro que faço. Isso seria muito útil pra identificar quem vendeu meu cadastro para quem. Funcionaria melhor no caso do e-mail e não para o SMS e o telefonema. De qualquer maneira fica a dica.

Do lado dos “anunciantes”, vejo que tem muita gente comprando gato por lebre. Um telefonema foi feito com um número bloqueado e um dos SMS veio de um candidato a vereador em Santo André. Eu não voto lá. E nem em São Paulo.

Os exemplos

 
O telefonema

Recebo uma ligação automática, de um número bloqueado, falando sobre o candidato Eduardo Tuma. A ligação enumera as razões para que eu vote no sujeito para vereador. Uma destas razões é que “ele vai fazer uma grande carreira política”. Honestamente, é a última coisa que me interessa em um candidato. Quero que ele me represente bem.

Imagino que o problema desta ação é o número bloqueado. Pouca gente deve atender. O candidato deve ter jogado dinheiro no lixo.

SMS 1

Print do SMS de Celso Russomanno

Print do SMS de Celso Russomanno

Recebi um SMS de Celso Russomanno, o candidato aventureiro. Foi um dos primeiros que chegou no meu telefone e eu fiquei bastante incomodado quando recebi, não só por não ter nenhuma simpatia pelo cara, mas pelo fato de ser muito invasivo.

O lado bom é que a mensagem dá a opção do sujeito parar de receber estas mensagens. Em uma situação ideal, eu esperava não receber esta mensagem. Mas ok, pedir pra SAIR é minimamente honesto. Respondi SAIR, mandei alguns impropérios e pedi para sair de novo. Nunca mais recebi nada, ainda bem.

Nota: Este print é a versão para a família brasileira. O mal educado é mais gráfico e está guardado, mandei para o Chico Rulez, que gosta de dispensar o mesmo tipo de tratamento para remetentes de SMS não-solicitados.

SMS 2

SMS do candidato Galdino

SMS do candidato Galdino

O caso do candidato Galdino é pior. O cara é candidato a vereador em Santo André pelo PMDB.

Recebi dois SMS deste sujeito e a opção SAIR não funciona. A coisa vai ficando ainda mais amadora, já que o candidato comprou uma base de dados com números que não são da cidade de Santo André, afinal, eu fui um dos destinatários. É quase um tiro de canhão para matar uma mosca.

Este é o print do segundo SMS, com um link para o site com as propostas do Galdino. Entrei lá e não vi proposta nenhuma, só dei uma meia dúzia de risadas com o site. De qualquer maneira, aproveitei para responder ao SMS com outros impropérios. Sei que ninguém vai ler, porque não vai chegar em nenhum aparelho celular, mas vale a diversão.

Minha conclusão?

E-mails, telefonemas, mensagens de texto, spam no twitter, isso tudo é apenas uma releitura do que vemos nas ruas. E acho que estas ações ações não convertem o eleitor indeciso, principalmente em uma votação tão pulverizada. O fato é que tem gente ganhando dinheiro com isso, vendendo bancos de dados com telefones e e-mails que não votam no mesmo colégio eleitoral do candidato. Não estou pedindo que saibam onde voto. Mas, se o sujeito tem meu telefone, certamente tem também o meu endereço. E nunca morei em Santo André, por exemplo. O candidato vai pagar caro pelo envio e não vai ter resultado nenhum.

Acho que é muito melhor (e mais trabalhoso) fazer uma campanha corpo a corpo. Ou investir a grana utilizada na sujeira eleitoral em outros meios. O resultado vai ser melhor e nossas cidades, nossos telefones e nossas caixas de e-mail agradecem! 🙂

, , , , , ,

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comment (1)

  1. Eu me pergunto bastante se isso de fato dá resultado, não apenas para política, mas para qualquer coisa. Outro dia eu recebi um spam por sms perguntando se eu queria saber sobre um candidato que assumia o compromisso de doar seu salário para os pobres, compromisso (segundo a mensagem) registrado em cartório. A mensagem não citava o nome, pois era um teaser Não respondi para saber, mas suspeito ser o Antônio Pinheiro, do PSDB (!), que inclusive colocou uma faixa dizendo isso perto da minha casa.

    Sobre o spam de balada, daria pra saber melhor a eficácia só dessa ação do que de algo secreto como voto. Sou doido pra saber se funciona mesmo. Todo mundo do meu círculo de convívio odeia e, os que não respondem com amabilidades igual eu, ignoram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *