23 de agosto de 2011 Felipe

Pequenos contos do mau jornalismo

News Reporter in Prague - mikeleeorg cc-by-nc

Era pra ter saído na semana passada, enfim, aquela coisa que vocês sabem…

Caso 1: Matéria no Bom Dia São Paulo sobre reforço escolar de matemática e a repórter já começa com clichê. “Não me pergunte nada, porque mal mal sei fazer uma regra de três”. Sou bom de português, mas ruim de matemática, por isso fiz jornalismo, manjam? A matéria vai andando e a entrevistada fala que o reforço na disciplina é necessário, porque é a que os alunos tem mais dificuldade, algo em torno de 90%. Pouco astuta, a repórter emenda: “Mas, é necessário mesmo? Eles não tem mais dificuldade em outra matéria?”.

Caso 2: Jornalista que não opina, quando isso é cobrado dele. Não raro, vejo companheiros da imprensa esportiva evitando opinar sobre determinados assuntos. Aí, apelam para a escola “clebermachadiana” de afirmação: “Acho que Fulano não é uma boa contratação, mas posso estar enganado. Afinal, futebol é uma caixinha de surpresas”. Poxa, pode opinar. Se errou, paciência. O que não pode é deixar de opinar pra fazer média ou por medo de errar.

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *