9 de março de 2010 Felipe

No hospital

Em poucas palavras. O mais complicado do hospital é a falta de um prognóstico. Absolutamente tudo pode acontecer, então não sabemos o que esperar.

Diminuiram o Dormonid, de modos que ela acordou, mas está falando pouco, o que também é motivo de angustia.

E vamos seguindo.

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *