14 de agosto de 2006 Felipe

Ah, esses jornalistas

Que mesas de bar repletas de advogados e médicos são chatas, todo mundo sabe. Cheias de termos técnicos e assuntos complicados. Aliás, a devoção que os futuros advogados tem com curso chega a tal ponto que tempos atrás, meu primo viu uma briga pós-baile de formatura de direito onde um brigão prometia processar o outro. Ele pode falar disso aqui mais detalhadamente depois.
Mas, sendo um jornalista, eu não tinha percebido como uma mesa só com “colegas” da “área” (termos amplamente utilizados e que me dão preguiça) pode ser tão chata. Reencontrei algumas colegas de faculdade na semana passada e com tanta coisa acontecendo, o único assunto eram pautas, matérias, fofocas de redação e blá blá blá. O mais curioso que nunca tive tesão por esse tipo de conversa. E olha que eu gosto da minha formação. Vai entender…

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comments (6)

  1. Iza

    Eu entendo você perfeitamente, sou assim também, acho que mesa de bar não foi feita pra conversas desse nipe.

  2. Tiago Augusto

    Hahahaha… eu sempre disse que jornalista era uma turma meio “ARGHT…!”

    Mas já sei… pode falar, publicitários também não ficam devendo nada para os adEvogados e jornalistas… mas pelo menos a frenquencia em que se fala de futebol, mulher e cerveja é maior.

  3. Gui

    Toda profissao é assim Bebeiss, pelo menos todos que ja vi.
    Sempre que saio com colegas de trabalho com a desculpa de relaxar e “tirar a cabeca do trabalho” apos 1 hora no pub a conversa vira discussao tecnica sobre tecnica cirurgica, fofoca sobre o que o diretor do hospital ta fazendo com o “budget”, o que o fulano fez no seminario nao sei onde. Moh merda. Eu sempre jogo balde d’agua fria se sao pessoas com quem tenho intimidade.

  4. Veramente, oq se viu foi um espetáculo hilário e grotesco. Talves não nesta ordem.
    Mas após alguns socos ao vento, e um ou dois na lata de algum magistrando. A briga passou para o nivel verbal e ameaças e garantias de condenações e vencimentos de causas eram trocados aos latidos na porta do baile. O futuro da juris-in-prudencia.

    Mas voltando à coldCow: Quando há mais de uma pessoa q trabalha com a mesma coisa, num ambiente qualquer. Fatalmente o assunto vai, mesmo q eventualmente, orbitar as matérias de interesse comum. Inevitável.
    Mas deixar isto excluir os outros integrantes da mesa é realmente meio chato. Nego é mala.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *