21 de julho de 2006 Felipe

Falem no cinema

Antes de mais nada, gostaria de deixar registrado como é difícil encontrar uma alma livre para um cinema numa quinta à tarde. Todo mundo trabalha. Claro, isso só aconteceu porque era minha última semana de folga. Resolvi ver “Superman – O Retorno”. O cinema, obviamente lotado de adolescentes e imbecis que curtem falar no cinema e deixar o celular ligado. Eu fico imaginando que, se praticar a má educação no cinema fosse esporte olímpico, a gente seria ouro, prata e bronze.
Mas o que mais me intriga é falta de uma brecha na lei que me permita fazer uso da agressão física num caso desses.

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comments (3)

  1. Cara, comigo nao tem dessa nao! Eu levanto, chego lá, sou discreto, peço pra calar a boca! Se nao calam, levanto e chamo o gerente ou responsável pelo cinema. Se ainda assim não adianta, chego lá e sou histérico, tentando causar vergonha pública. Se ainda sim não resolver, apelo pra força física.

    Já arrastei muleque pra fora da sala pela camisa, ja tomei canetinha laser, já quase soquei gente mal educada q mesmo depois de mil toques resolve não contribuir. Só faltou mesmo a pancadaria.

    Lu, minha ex mulher, sabe mto bem disso! Ela que tentava me acalmar qndo eu começava a stressar demais com os maleducadinhos.

    Chama o gerente e pede pra tomar uma providência. Se o cara não resolver, use toda sua sagacidade para fazer a pessoa passar vergonha dentro da sala. Costuma resolver! Ou então, apele para o famoso copão de refri q voce achou no lixo e echeu d’agua cair no colo do fedaputa.

  2. Leticia

    sou igual vc, morro d raiva d baderna no cinema, tb chamo o lanterninha, mando um “ssssshhhhhh” bem longo, e quero silencio na sala d projeção, cinema pra mim eh sagrado, cinema eh lugar d ver o filme e nao de comentar o filme…

  3. isabela

    isso é que dá resolver assistir a superman numa tarde de quinta-feira de julho. eu sei, eu sei, o horário da sessão não deveria justificar o comportamento da platéia. da próxima vez, faça como eu: fui ver piratas do caribe na primeira sessão de domingo, 11h10. não havia nem 15 pessoas na sala. depois fui almoçar e voltei feliz pra casa. =)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *