14 de maio de 2006 Felipe

Diário de Bordo no. 2

TP-170 Rio de Janeiro – O Porto
Eu vacilei. Fiquei em pé tempo demais na fila para o embarque e mais uma hora e tanto sentado, já dentro do avião. O comandante culpou o tráfego e o alto número de pousos e decolagens, mas eu duvido. Partimos, com uma hora e meia de atraso. Vale registrar que o comissariado da TAP é idoso, falante e mal humorado. Falo porque sentei a última poltrona do avião, e de lá, além de não poder reclinar o encosto, presenciei a conversa animada dos comissários lá trás e o insistente pedido do cara na outra cadeira do corredor por um vinho. O velhote que sentou do meu lado se deu bem. Ele tem menos de 1,70 e não ficou com joelhos, cotovelos e ombros tomando porrada dos carrinhos de serviço. Ah, o casal que bebia cachaça veio no avião. Eles continuaram a bombar na garrafa da Ypioca.

Aeroporto d’O Porto e TP-384 O Porto-Londres
Aeroporto bonito, mas deserto. Nada de bom, e a comida boa fica dentro da sala de embarque. Paguei 9,80 euros em uma coxa de frango com fritas e coca cola. Porção servida. Por conta do atraso do vôo, cinco pessoas perderam o avião de 10:40 para Londres e embarcaram comigo. Um eu conhecia do vôo, ele era o sujeito que pediu em vão o vinho. Acássio, capixaba que depois de morar na Alemanha, resolveu tentar a vida em Londres. Além dele, havia Paulo, que mora em Cardiff; Felipe, um carioca riquinho que vem estudar, ele preferiu pagar táxi ao invés de pegar trem; uma menina do setor de low-price markets da Shell, vinha para uma reunião e Frederico um curitibano que veio passear também.
Do vôo até Londres vale ressaltar: O sanduíche de atum e ovo que eu comi no avião e que vai me fazer mal (nota: Realmente fez um efeito devastador. Foi o fim de 25 horas comendo delícias de avião). E o chinês com cara de índio peruano ao meu lado, que lia uma revista sobre a copa. Era toda em chinês, mas vi que ela mostrava um diagrama dizendo que a seleção brasileira de 2002 jogava no 3-4-3. Esses chineses não entendem nada de futebol

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comments (5)

  1. Felipe

    Ah Ovo com ATUM!!!

    Foi corajoso hein? Porque não pediu um gole da Ypioca pra ajudar a descer?

  2. Natália

    hehehe

    Óbvio que você sabe quem foi a autora do último comentário né. E não o Felipe.

    Beijocas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *