Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comment (1)

  1. É nisso que dá ser malaco, ignorante e praticante do candomblé!
    Aposto que isso foi a mando de algum pai de santo, procurado pelo chefe de alguma facção rival, que disse no ápice de sua sapiencia mediúnica que as vendas de crack estavam mal porque o espírito do meliante morto estava de “encosto” no cara, e pra resolver isso, teriam que destruir o túmulo do presunto e estilhaçar seu cadáver em nano pedacinhos.

    Cambada de acéfalo do inferno!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *