16 de julho de 2004 Felipe

A culpa (também) é do cliente

Eu achava que sites toscos eram, em sua imensa maioria, culpa daquele sobrinho de 15 anos em que o tio confiou o site da empresa, ou do free lancer fajuto que fez um curso de HTML na esquina. Mas depois da viagem ao norte de Minas, percebi que o cliente muitas vezes tem culpa no cartório.
A filha de um dos donos da empresa visitada, famosa por falar demais, resolveu dar suas opiniões. Dez minutos de conversa foram suficientes pra deixar qualquer um de cabelo em pé. Primeiro, ela pediu “uma entrada, assim, com uma foto, que virasse vários quadradinhos e em seguida se transformasse na logo da empresa” e depois, na parte de contato, ela queria “uma chapa do produto entrando dentro de um envelopinho, e despachada por um caminhãozinho”. Nossa sorte é que o real responsável pelo site era um sujeito sensato e velho conhecido da nossa chefia, ou seja, tudo em casa.

Mas nisso ficou fácil perceber o porque dos milhares de sites toscolinos por aí. É só juntar um free lancer/agência que goste das coisas bregas, com um cliente que incentive a “criação” disso. Não vai dar coisa boa. Nunca.

Felipe

Jornalista mineiro que mora em São Paulo. Interessado em fotografia, comunicação, esportes, música, mobilidade e bicicletas.

Comments (4)

  1. Pô, ganso, nesse caso não acho que
    faltou sensatez não.
    Você pode até achar brega, mas
    é uma realidade o fato dos clientes
    pedirem coisas complicadas e arranjos
    em flash, como parece ser o caso.
    E, sinceramente, no texto tá parecendo que você ligou sensatez ao fato da proposta do responsável ser mais “fácil”. Mas sei que você não quis dizer isso…

  2. kRePiN

    ela não quer o envelopinho rosa e o caminhãozinho com motorista acenando tchauzinho?? ahhuHuahhauah
    Toskêra!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *